Todos os posts de Sindicato STEEM

O STEEM precisa localizar os ex-trabalhadores da COPEL abaixo relacionados.

lupaO STEEM precisa localizar os seguintes ex-trabalhadores da COPEL abaixo relacionados.

Os mesmos tem valores as receber no sindicato, quem tiver contato com os mesmos solicitamos que peçam para entrar em contato

com o STEEM pelos telefones (44) 3263-1708 (44) 9973-4035 (TIM) no horário das 08h00 as 11h30 e das 13h00 as 17h00,

ou pelo e-mail do STEEM [email protected]
ALBERTO RODRIGUES DE SOUZA

ALESANDRO FREIRE ZAGUI

ANDREIA CARACATO TOCCO

ANGELA REGINA V DE VASCONCELOS

AUGUSTO LAUER AMARAL DA ROCHA

BRUNO GRECO DOS SANTOS

CARMEM LUCIA SARTORI ROCHA

CLARA APARECIDA MILANEZ

CLAUDINEI GONSALVES LOPES

CLAUDIO DE ANDRADE MOREIRA

DANILO GROTTI RIBEIRO

DANILO RAFAEL DA SILVA CARVALHO

DIEGO DYAN CASTILHO AFFONSO

DIEGO FRANCO PEREIRA

ELIANDRO FERREIRA DE LIMA

EVANIA DA SILVA NOVAK FRANCO

EVERTON LUIZ DE MELO

FERNANDO MITSUO HASHIMOTO

FERNANDO PAROLINI DE MORAES

GRAZIELLA CARRARO

GUILHERME YASUHIRO ITO

LUIZ CARLOS DE ANDRADE

MARCIO BANDEIRA MARTINS

MARCOS DOS SANTOS FRANCO

MARCOS DOS SANTOS GONÇALVES

MARIA RITA DUARTE ARNAUT

MARIO LINCOLN FREITAS PERES

PATRICIA GOMES

RICARDO ANTONIO IGNÊS

RICARDO HENRIQUE DOS SANTOS

ROGÉRIO A ARAUJO DA SILVA

ROSANA APARECIDA MICHELS

SILVIA CRISTINA DA SILVA

WALDIR JOÃO ZANETTI NETO

Resultado das Assembleias do AC-PLR 2014/2015

Bandeira do STEEM pgna

 

O STEEM informa aos trabalhadores e trabalhadoras que entre os dias 4 e 18 de dezembro, os sindicatos que compõem o Coletivo Sindical da Copel em todo o Paraná, fizeram as assembleias para votação da proposta da empresa para o acordo específico de Participação nos Lucros e Resultados 2014. As urnas abertas no dia 19 de dezembro, às 13 horas, no Km 3, em Curitiba apresentaram o seguinte resultado:

1.387 votos – SIM

1.015 votos – NÃO

      01 voto – NULO

      04 votos – BRANCOS

      46 ABSTENÇÕES

Portanto a proposta da empresa foi aprovado pelos trabalhadores  por 372 votos.

 O acordo específico de Participação nos Lucros e Resultados 2014, pagamento em 2015 será assinado assim que a empresa disponibiliza-lo para os Sindicatos.

Att.

Claudeir Fernandes

Dir Presidente

O STEEM deseja a todos e todas um Feliz Natal e um Ano Novo repleto de realizações.

Acompanhe tudo o que acontece nos nossos canais interativos.

Veja o que está no:

site STEEM: http://steem.org.br/

blog: http://coletivocopel.wordpress.com/

no Facebook: http://www.facebook.com/pages/Coletivo-Sindical-da-Copel/182193801848648

E no Twitter: http://twitter.com/#!/ColetivoCopel

Feliz Natal e um próspero Ano Novo

Que o Menino Jesus ilumine o Natal com a esperança de dias melhores e momentos especiais em sua vida.

Que Ele ilumine sua família para que jamais esqueçam que a compreensão é a base de tudo.

Que este Natal seja mais do que uma festa, seja a celebração de um recomeço cheio de paz e amor entre os homens de boa vontade.

Esses são os mais sinceros votos da equipe e diretores do STEEM.

Natal 2014.

Nossa honra não se compra. Não queremos os 50 reais!

Logo Jornal do Coletivo

https://coletivocopel.wordpress.com/

Nossa honra não se compra. Não queremos os 50 reais!

Os sindicatos que compõem o Coletivo Sindical da Copel informam a todos os seus representados que não aceitarão o pagamento do Fundo Assistencial, previsto na sétima cláusula da minuta do PLR encaminhada pela empresa, na qual a Copel se compromete em repassar às entidades sindicais R$ 50 por empregado da estatal.

As entidades reafirmam, desta forma, que não compactuarão com a atitude da empresa em impositivamente alterar o processo de negociação, ignorando todos os esforços dos Sindicatos em propor um acordo de distribuição da PLR baseada no escalonamento de metas e produtividade.

O acordo “rasgado” pela Copel, possibilitaria a motivação dos trabalhadores, uma vez que os valores a serem recebidos na distribuição da PLR seriam proporcionais aos lucros da empresa, ao contrário da última proposta da Copel.

Nem por 50 reais ou qualquer outro valor os sindicatos do Coletivo Sindical da Copel aceitarão a falta de transparência e compromisso da empresa com os mais de 8 mil funcionários que lutam diariamente para os avanços, sobretudo econômicos, da Copel

Com nova proposta, COPEL “rasga” compromisso firmado com os trabalhadores

Logo Jornal do Coletivo

https://coletivocopel.wordpress.com/

PLR Copel 2014

 

Mais para os acionista, menos para os trabalhadores

A Copel encaminhou nesta semana a minuta para o acordo específico de distribuição da Participação dos Lucros e Resultados para os trabalhadores da empresa referente ao exercício de 2014. Na proposta, o montante a ser distribuído entre os mais de 8,5 mil trabalhadores é de R$ 90 milhões, com valor aproximado de R$ 10.500 por funcionário.

Até setembro deste ano, o lucro líquido da Copel foi de mais de R$ 1 bilhão, o que representa crescimento de mais de 15% em comparação ao mesmo período de 2013. Em outubro deste ano, o Conselho de Administração da empresa aprovou o pagamento de R$ 380 milhões aos acionistas da empresa, até 21/11, relativos a antecipação de Dividendos e Juros sobre Capital Próprio, correspondente a 50% do lucro líquido da Copel. Em 2012, o repasse para os acionistas era de pouco menos de 40%.

Enquanto que o lucro da empresa e os repasses para os acionistas aumentam, a participação dos empregados da Copel, principais responsáveis pela lucratividade e desenvolvimento da empresa, diminui. Em 2010 o PLR dos funcionários correspondia a 25%, em 2011 caiu para 11%, em 2012 ficou em 10%, e neste ano, tendo em vista ao lucro líquido da empresa até setembro, ficará em menos de 10%.

Para o economista do Dieese, Fabiano Camargo, o aumento dos repasses aos acionistas e a diminuição da participação dos trabalhadores nos lucros da empresa é parte de uma política agressiva de aumento dos lucros e diminuição das despesas para distribuição entre os acionistas. “Ao que tudo indica, a condução da empresa está orientada exclusivamente para reduzir despesas, aumentar receitas e por fim impulsionar sua lucratividade para distribuir maiores recursos aos seus acionistas, lembrando que grande parte das ações da Copel que tem preferência para o recebimento de proventos estão na Bolsa de São Paulo ou na Bolsa de Nova Iorque, favorecendo os especuladores do capital financeiro nacional e internacional”.

Frente a postura mercadológica que vem se consolidando ano após ano na Copel, o economista questiona quando serão contemplados os trabalhadores da empresa e os consumidores, que, apesar das altas tarifas de serviços, não veem seus benefícios e suas condições de trabalho aumentarem na mesma velocidade do avanço dos ganhos repassados aos acionistas.

“Segundo representantes do governo estadual e da própria empresa os acionistas devem passar a ganhar mais dividendos, para que a empresa possa se ajustar as “políticas de mercado” realizadas por outras empresas do setor, elevando ainda mais a participação dos proventos para acionistas sobre o lucro líquido da companhia. Logo, conclui-se que a política de administração da empresa está voltada para o mercado financeiro para remunerar os acionistas (que aumentaram seus ganhos não somente com expressivo aumento da lucratividade da empresa nos últimos anos, mas também devido ao aumento do percentual do seus proventos sobre o lucro líquido, alterados pelo governo estadual recentemente, que eram de 25%, passaram para 35% e atualmente estão em 50%), em detrimento da modicidade tarifária, remuneração dos trabalhadores ou mesmo do desenvolvimento econômico e social do Estado do Paraná”, critica Camargo.

Na minuta da proposta, além dos itens referentes ao PLR, está contemplado o pagamento de fundo assistencial a ser repassado pela empresa aos sindicatos, no valor de R$ 50 por trabalhador representado pelas entidades, a serem pagos até 5 dias após o fechamento do acordo.

 

tabela 1

Desde o início de 2014, os sindicatos vinham negociando com a empresa uma proposta de participação nos lucros e resultados que resgatasse o modelo baseado no cumprimento de metas nas áreas técnicas e financeira da empresa.

A proposta que vinha se desenhando em consenso entre a empresa e os sindicatos, por meio de escalonamento de metas e produtividade, possibilitaria a motivação dos trabalhadores da Copel, uma vez que os valores a serem recebidos na distribuição da PLR seriam proporcionais aos lucros da empresa, ao contrário da proposta original da Copel, em que os lucros não alterariam os valores a serem distribuídos.

 

Com nova proposta, empresa “rasga” compromisso firmado com os trabalhadores

Referente a participação dos lucros e resultados de 2014 e 2015, a proposta em negociação até o final de novembro deste ano seguia os seguintes critérios de distribuição:

Tabela2

 

De forma unilateral, a empresa alterou drasticamente o rumo da negociação, apresentando nesta semana uma minuta de acordo que não foi discutida na mesa de negociação com os sindicatos. A empresa, em reunião com o Coletivo Sindical da Copel nesta terça-feira (2), a Copel retirou a proposta oficializada aos Sindicatos em reuniões anteriores.

“De forma unilateral, a empresa voltou atrás e praticamente rasgou o compromisso firmado com as entidades e apresentou uma proposta que não motiva os funcionários a aumentarem a produtividade.” É uma proposta que contempla o lucro da empresa, e nem mesmo leva em consideração o percentual pago aos acionistas como dividendos, não observa cumprimento de metas, nada é levado em consideração para o que propôs, principalmente a Lei 10.101 que regula a distribuição de lucro no país”, critica o coordenador do Coletivo Sindical da Copel, Claudeir Fernandes.

Sindicatos realizam assembleias para votação do PLR

Entre os dias 4 e 18 de dezembro, os sindicatos que compõem o Coletivo Sindical da Copel realizarão, em todo o Paraná, assembleias para votação da proposta da empresa para o acordo específico de Participação nos Lucros e Resultados 2014. As assembleias serão unificadas, e as urnas serão abertas no dia 19 de dezembro, às 13 horas, no Km 3, em Curitiba.

 

 

 

 

Entidades pedem revogação da lei que autoriza a PPP do lixo em Maringá

PPP lixo

NOTA PÚBLICA

A Sociedade Civil, através das entidades signatárias da presente Nota Pública, vem informar a comunidade maringaense do que segue: ASSUNTO: Parceria Público Privada, para prestação de serviços de coleta, por trinta anos, mediante concessão de serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos urbanos no Município de Maringá. Considerando que a sociedade civil de Maringá solicitou mediante requerimento, protocolo nº 74119I2014, à Prefeitura Municipal de Maringá, na pessoa do Prefeito Municipal Sr. Roberto Pupin, para suspender imediatamente, pelo prazo de 120 dias, o processo que prevê a implantação de Parceria Público Privada para a execução dos serviços de coleta, tratamento e destinação final do lixo no município; Considerando a resposta, do Prefeito Municipal, através do Oficio nº 4103/2014-GAPRE, assinado pelo Chefe de Gabinete, que respondeu negativamente à solicitação, dizendo que “informamos que o processo referente à parceria público-privada prosseguirá o seu curso regular e normal e consolidará toda a modelagem da concessão, até que, cumpridos todos os requisitos legais, seja instaurada a licitação”; Considerando que na reunião, realizada no auditório Hélio Moreira, localizado no Paço Municipal de Maringá no Paço municipal, em 12 de setembro de 2014, o Município de Maringá somente esboçou o tema da Parceria Público Privada; Considerando que referida apresentação teve como fato que a maioria dos presentes foi de cargos comissionados da Prefeitura Municipal de Maringá, sendo que dos 192 (cento noventa e dois) presentes, conforme se verificou das assinaturas das listas, 112 (cento doze) pessoas, no mínimo, são integrantes da Administração Municipal, interessada no modelo de negócios que está sendo imposto à comunidade maringaense; Considerando que a Parceria Público-Privada, no marco da Política Nacional de Saneamento Básico, é de interesse de toda a coletividade, haja vista que a Coleta de resíduos está diretamente relacionada com a qualidade de vida de toda a população do município, bem como incide de modo direto em toda a comunidade local, tanto por ser esta geradora de resíduos, como pelo fato que a mesma será onerada com os valores da taxa do serviço; Considerando que a administração municipal não disponibilizou, previamente, num prazo mínimo de trinta dias, de antecedência da realização da Audiência Pública, os estudos, investigações e levantamentos, os quais estão vinculados à realização da Audiência pública, e são condições da formalidade da mesma; Considerando que a legislação municipal, que trata dos prazos para que sejam disponibilizados os estudos referentes às Audiências Públicas, determina no § 1°, artigo 211, da Lei Complementar municipal nº. 632, que todos os documentos relativos ao tema da Audiência Pública serão colocados à disposição de qualquer interessado para exame e extração de cópias inclusive por meio eletrônico, com antecedência mínima de 30 (trinta) dias da datada realização da respectiva audiência pública; Considerando o Município de Maringá está implantando de forma açodada e sem ouvir a comunidade, projeto oneroso do qual sequer se conhece o estudo de viabilidade técnico econômico financeiro, que se trata de exigência legal; Considerando que a real extensão e os termos da Parceria Público-Privada são desconhecidos da população e, mesmo mediante reiterados pedidos de entidades da sociedade civil e do Ministério Público, a Prefeitura não apresenta os estudos e elementos necessários à compreensão de qual a proposta que será licitada; Considerando que no Município a coleta seletiva se encontra num percentual inferior a 3% (três por cento), conforme consta em manifestação do Diretor da Secretaria de Saneamento Básico do Município de Maringá; Considerando que a sentença da Ação Civil Pública, Autos 0000825-72.2000 da 2ª Vara da Fazenda Pública da Comarca da Região Metropolitana de Maringá, transitou em julgado, e o Município de Maringá foi condenado na obrigação de fazer consistente na “implementação de reciclagem que abranja toda a coleta de lixo do Município”; Considerando que deve ser destinada às cooperativas de catadoras e catadores todo material reciclável coletado no perímetro urbano pelo serviço público de coleta seletiva e os produzidos nos órgãos públicos municipais até a assunção de tais atividades pelas próprias cooperativas após a contratação dos serviços de coleta; Considerando que está em andamento o inquérito civil nº 0088.14.002046-7 na 20ª Promotoria do Patrimônio Público do Ministério Público do Paraná; Considerando que está em andamento o inquérito civil nº 0088.14.001359-5 na 1ª Promotoria do Patrimônio Público do Ministério Público do Paraná; Considerando que está em andamento o procedimento preparatório nº 0088.14.001598-8 na 13ª Promotoria do Meio Ambiente do Ministério Público do Paraná; Considerando que está em andamento na 1ª Vara da Fazenda Pública da Comarca da Região Metropolitana de Maringá o Mandado de Segurança Autos nº 0004735-82.2014.8.16.0190; Considerando que a Lei Ordinária nº 9845/2014, que determina o encaminhamento do produto da coleta seletiva às cooperativas de catadores e a manutenção das características do trabalho e direitos dos catadores municipais, no marco da parceria público-privada, padece de vicio insanável de iniciativa; Considerando que na análise das receitas e despesas do Município de Maringá para o exercício financeiro de 2015, nada consta a respeito da Parceria Público Privada, assim não há previsão orçamentária para a mesma; Considerando a relevância do tema que afeta a toda a coletividade, bem como pela extensão dos anos da referida concessão, mais de TRINTA ANOS; Considerando que a República Federativa do Brasil, consagra na sua constituição que são Poderes Independentes e Harmônicos entre si, o Legislativo e o Executivo, SOLICITAMOS Á CÂMARA MUNICIPAL DE VEREADORES DE MARINGÁ, ATRAVES DO SEU PRESIDENTE EXCELENTÍSSIMO DR. ULISSES MAIA, QUE SEJA REVOGADA A “LEI ORDINÁRIA Nº 9836/2014 QUE AUTORIZA O PODER EXECUTIVO MUNICIPAL A CONTRATAR PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS DA COLETA, TRATAMENTO E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS (PRIVATIZAÇÃO DO LIXO).” MARINGÁ, 01 de dezembro 2014. ENTIDADES SIGNATÁRIAS SISMMAR – Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Maringá APP Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Paraná. Núcleo Sindical – Maringá

MITRA DIOCESANA – Arquidiocese de Maringá.

FORUM LIXO E CIDADANIA DA REGIÃO NOROESTE DO PARANÁ. OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES – Núcleo região Metropolitana de Maringá. OBSERVATÓRIO SOCIAL. INSTITUTO LIXO E CIDADANIA. SINDAEN – Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Água, Esgoto e Saneamento de Maringá e Região Noroeste do Paraná. STEEM – Sindicato dos Trabalhadores nas Empresas de Energia Elétrica de Maringá e Região Noroeste do Paraná. SINCOMAR – Sindicato dos Comerciários de Maringá. CUT – Central única dos Trabalhadores.

25 de Novembro: Dia Internacional pela Não Violência contra a Mulher

10404252_705663866208074_4760819325306379507_n

25 de Novembro: Dia Internacional pela Não Violência contra a Mulher

Todo ano são realizadas diversas atividades no Dia Internacional pela Não Violência contra a Mulher que culmina, em todo mundo, com os 16 dias de ativismo pelo fim da violência. Esse movimento pela não violência é realizado tanto pelo setor público como por entidades da sociedade civil organizada. No entanto, a despeito de tantos esforços, a violência contra a mulher em todo o mundo continua em níveis alarmantes. No dia 21/11, a OMS – Organização Mundial da Saúde divulgou dados de um estudo que mostra que: uma em cada três mulheres no mundo é vítima de violência conjugal; em todo o mundo, entre 100 milhões e 140 milhões de mulheres jovens e adultas sofreram mutilações genitais, e cerca de 70 milhões de meninas se casaram antes dos 18 anos, frequentemente contra a sua vontade, e 7% das mulheres correm risco de ser vítimas de estupro ao longo da vida. Tanto a OMS como a ONU (Organização das Nações Unidas), preocupados com a violência contra a mulher cobram, dos países, iniciativas que combatam esse crime considerado crime de direitos humanos. No Brasil, iniciativas como o Disque 180 do Governo Federal e a Lei Maria da Penha, promulgada em 2006, entre outras ações tem como propósito auxiliar as mulheres vítimas de violência. Campanhas como Laço Branco – Homens pelo fim da violência contra a mulher, Disque 180 – Nós Ligamos, entre outras procuram engrossar a fila das campanhas em prol do fim da violência contra as mulheres. A despeito de todo esse aparato de proteção, a violência contra as mulheres segue vitimando milhares de brasileiras. Dados da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180, da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (2014) apresentam que 77% das mulheres em situação de violência sofrem agressões semanal ou diariamente. Nos primeiros seis meses de 2014, o Ligue 180 realizou 265.351 atendimentos, sendo que as denúncias de violência corresponderam a 11% dos registros – ou seja, foram reportados 30.625 casos. Em 94% deles, o autor da agressão foi o parceiro, ex ou um familiar da vítima. Os dados mostram ainda que violência doméstica também atinge os filhos com frequência: em 64,50% os filhos presenciaram a violência e, em outros 17,73%, além de presenciar, também sofreram agressões. Entre os tipos de violência informados nos atendimentos realizados pelo Ligue 180, os mais recorrentes foram a violência física (15.541 relatos); seguida pela psicológica (9.849 relatos); moral (3.055 relatos); sexual (886 relatos) e a patrimonial (634 relatos). Ao tipificar os tipos de violência, incluindo a violência psicológica, moral, sexual e patrimonial, a lei mostra a verdadeira face da violência contra a mulher que não se mostra além dos hematomas no corpo, ferindo sua dignidade como pessoa e cidadã. A Rede de Atendimento as Mulheres Vítimas de Violência procura dar atendimento as mulheres de forma integral, entretanto, os movimentos organizados de mulheres em todo o Brasil, denunciam sistematicamente a falta de integração dos serviços e a precariedade de infraestrutura e de pessoal capacitado para atender as mulheres vítimas de violência e as dificuldades das mulheres de cidades de pequeno porte que não dispõem de nenhum tipo de atendimento, seque de Delegacia da Mulher. O Programa lançado pelo Governo Federal, Casa da Mulher Brasileira visa, entre outros objetivos, sanar essa lacuna, colocando todos os serviços de atendimento a mulher em um único local. No Paraná, a Casa da Mulher Brasileira está sendo construída em Curitiba, que inclusive figura como o terceiro Estado em violência contra a mulher. Iniciativas governamentais e a presença da sociedade civil organizada possuem como objetivo único combater sistematicamente a violência contra a mulher e dar um basta na violência que fere os direitos humanos. Por sua vez, a sociedade não pode se eximir de sua responsabilidade. Ao fazer de conta que a violência não existe ou não é problema, a sociedade permite que, cada vez mais, mulheres sejam assassinadas e os assassinos saiam impunes de qualquer tipo de crime de violência. Ao se tratar de uma questão cultural, muitos homens se sentem dono do corpo e da alma da mulher, podendo dispor dela como lhe convém. Torna-se, dessa forma, primordial que eduquemos nossas mulheres e nossos homens, nossas crianças e jovens para o respeito mútuo e pela não violência contra a mulher ou qualquer outro tipo de violência e pelo combate firme contra o preconceito e o machismo que leva a violência contra a mulher. Não se pode mais silenciar diante da violência contra a mulher. Nem todo o aparato legal, policial e governamental fará sentido, se ficarmos fazendo de conta e reproduzirmos internamente, aquela máxima antiga de que “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”. Temos que nos mobilizar constantemente antes que mais vidas sejam ceifadas em nome de um “suposto amor” que mata nossas mulheres. Devemos ter sempre em mente que “quem ama, não mata, respeita!”

 

Tania Tait. Professora, Doutora em Engenharia de Produção, coordenadora da ong Maria do Ingá – Direitos da Mulher, Coordenadora do Fórum Maringaense de Mulheres e membro do Núcleo de Mulheres do Sinteemar.

Coalizão pela reforma política democrática e eleições limpas.

Reforma política

Reforma Politica e Eleições Limpas 

Assine e ajude a mudar o país.

Queremos coletar 1,5 milhão de assinaturas até março de 2015. Colabore!

É muito fácil! Basta baixar o formulário e imprimi-lo para iniciar a coleta. Colete as assinaturas de seus amigos, colegas e parentes.

Busque também assinaturas de pessoas na rua, no trabalho, na faculdade, na igreja, onde quiser. Depois, basta enviar os formulários preenchidos para o endereço que está no rodapé do formulário.

ATENÇÃO: a legislação brasileira atual não permite assinaturas digitais ou pela internet. Portanto, para Projetos de Iniciativa Popular como este da Coalizão ainda é necessário imprimir o formulário, assinar corretamente com todos os dados e nos enviar pelos CORREIOS.

SECRETARIA NACIONAL DA COALIZÃO 

SAS, Quadra 05, Lote 2,

Bloco N, Edifício OAB, 1º andar,

Brasília-DF

CEP: 70.070-913

Home

 

 

Trabalhadores da Copel aprovam acordo de trabalho

teste 4

Por 2.294 votos a favor e 1.805 contra, os trabalhadores da Copel aprovaram a proposta da empresa para o Acordo Coletivo de Trabalho 2014/15. Os votos, resultantes das aproximadamente 50 assembleias realizadas pelo Coletivo Sindical da Copel, foram apurados nesta terça-feira (30), em Curitiba, no Km3.

Durante a apuração também foram contabilizados 6 votos nulos, 3 brancos e 65 abstenções. A votação  apertada, com recusa de cerca de 40%, apesar de resultar na aprovação do ACT demonstra a insatisfação dos empregados da Copel com a proposta da empresa e com a pressão para a aprovação do acordo às vésperas das eleições.

Cabe ressaltar a recusa do Coletivo em levar a primeira proposta da empresa à votação, que, dentre outros itens, previa reajuste de apenas 6,6%. Portanto, a insistência dos sindicatos em avançar as negociações, em propor um novo debate das reivindicações dos copelianos, possibilitou alguns avanços na proposta do acordo.

Dentre os itens aprovados nas assembleias destacam-se o reajuste salarial de 7,5%, aumento do vale-alimentação para R$ 840,00,a inclusão do vale-lanche no ACT com aumento para R$ 100,00, reajuste do auxílio-creche para R$ 400,00 e do educação para R$ 700, e pagamento de abono salarial de uma remuneração nominal acrescida de R$ 4 mil fixo. Confira no site do Coletivo Copel a minuta do ACT com as propostas da empresa em http://www.slideshare.net/armandoje/minuta-39301115.

Com a aprovação, a Copel se comprometeu em pagar o abono até a próxima sexta-feira (3), bem como aplicar o reajuste na folha de outubro. Esta  é a primeira vez em que a empresa pagará as diferenças salariais na data-base.